Atendimento ao cliente

E-mail: atendimento.cavalcantesadv@gmail.com
TELEFONE: 83 3512-8576 /  (83) 9 9117-5611 (Whatsapp)

Atendimento
      O juiz de Direito Rubens Hideo Arai, da 1ª vara do JEC de São Paulo, condenou a Claro a suspender cobranças indevidas por ponto adicional de televisão que havia sido desativado a um consumidor. Na decisão, o magistrado lembrou de propaganda de shampoo para demonstrar que a ré não apresentou contestação referente ao caso. O consumidor passou a receber cobranças indevidas relativas a um p

Juiz lembra de propaganda de shampoo para afirmar que ré não contestou acusação



Fonte: Migalhas
Data: 04/09/2018


 

 

 

O juiz de Direito Rubens Hideo Arai, da 1ª vara do JEC de São Paulo, condenou a Claro a suspender cobranças indevidas por ponto adicional de televisão que havia sido desativado a um consumidor. Na decisão, o magistrado lembrou de propaganda de shampoo para demonstrar que a ré não apresentou contestação referente ao caso.

O consumidor passou a receber cobranças indevidas relativas a um ponto adicional de TV a cabo que havia sido desativado. Com isso, ele ingressou na Justiça contra a Claro requerendo a suspensão das cobranças referente ao ponto adicional.

Ao analisar o caso, o juiz de Direito Rubens Hideo Arai deferiu tutela antecipada para determinar que a operadora providenciasse a regularização da conta do consumidor e cobranças futuras dos serviços da operadora, sob pena de multa em caso de descumprimento.

Ao proferir sentença, o magistrado fez observações em relação à constatação apresentada pela Claro.

"Com efeito, a contestação até parece ser referente ao assunto, ou seja, cobrança do ponto adicional. Mas não é. A inicial não discute a possibilidade, ou não, de se poder cobrar pelo ponto adicional. A controvérsia é sobre continuar cobrando pelo ponto adicional desativado com a retirada do equipamento pela ré."

Para o magistrado, a operadora apenas aparentou ter contestado as alegações feitas pelo consumidor, mas não explicou porque continuou realizando as cobranças. Em virtude disso, o juiz lembrou até de uma propaganda para demonstrar a atitude da ré.

"Lembrei de uma propaganda antiga de um shampoo anticaspa que a moça falava "parece remédio" e o rapaz respondia: "mas não é". Então, parece que contestou ...., mas não explicou por que continuou cobrando pelo ponto que retirou."

Ao entender que a cobrança foi indevida, o juiz julgou procedente o pedido feito pelo autor e tornou definitiva a antecipação de tutela, condenando a operadora a suspender as cobranças indevidas.

Confira a íntegra da sentença.

Confira outras notícias

Justiça de MG manda Vale resgatar animais da lama


A juíza de Direito plantonista de Brumadinho, Perla Saliba Brito, determinou que a Vale S.A. proceda de imediato à contratação ou ao fornecimento de equipe capacitada, medicamentos, alimentos, maquinários e todo e qualquer meio adequado ao resgate, acolhimento e tratamento dos animais agonizantes na lama da barragem Córrego Mina do Feijão que rompeu na última sexta-feira, 25. Em caso de desc...

Saiba mais informações

Recém-instalada Agência Nacional de Mineração terá desafio de fiscalizar atividade no país


No final do ano passado, foi publicado no DOU o decreto 9.587/18, que instala a ANM - Agência Nacional de Mineração e aprova a sua estrutura regimental e o seu quadro demonstrativo dos cargos em comissão. Recém-instalada, a ANM já tem um sério trabalho pela frente em decorrência da tragédia em Brumadinho. História A Agência Nacional de Mineração foi criada em 26 de dezembro de 2017, por meio...

Saiba mais informações

João Pessoa/PB - Rua Otacílio de Albuquerque, 22 - Torre - CEP: 58040.720
(83) 3512.8576 / 3045.5158 / 8801.7240 - atendimento.pb@cavalcantes.adv.br

Parnamirim/RN - Av. Prof°. Clementino Câmara, 164, 1° andar - Centro - CEP: 59140.310
(84) 3081.6462 / 8753.2255 - atendimento.rn@cavalcantes.adv.br

Goiana/PE - Travessa da Rua Nova, 09, Sala 07 - Centro - CEP: 55000.000
(81) 9439.5110 / 9560.6027 - atendimento.pe@cavalcantes.adv.br

Desenvolvimento por Visual Slim